quarta-feira, 20 de março de 2019

sábado, 16 de fevereiro de 2019

Amanhecer 4a.edição 2014 RJ

sexta-feira, 15 de fevereiro de 2019



                                                          Amanhecer 1a.edição Unigranrio 1983 RJ




Textos inúteis - Ricardo Boechat
Ivan Dutra de Faria

Doutor pela UNB
Mestre em Planejamento e Gestão
Consultor Legislativo no Senado Federal

A gente talvez tenha se conhecido. Quem sabe a gente tenha jogado a mesma pelada em campinhos improvisados – no mesmo time ou não. Mas certamente tomamos banho no mesmo rio, o do Pico.
Ele amava Santo Aleixo, onde tinha uma propriedade à beira do rio. O santo deu nome ao 2º distrito do município de Magé, onde havia um núcleo da honrada família Boechat, que chegou ao Brasil vinda dos Alpes pelos caminhos de Friburgo, de Cordeiro, de Itaperuna e de outros graciosos locais daquela serra,.
Certa vez, Santo Aleixo ganhou o apelido de “Moscouzinho”, algo bastante compreensível e, de algum modo, previsível. Ocorre que a vida da cidade era regida pelo funcionamento de duas fábricas têxteis – uma delas, propriedade de alemães e a outra de nordestinos. Não foi surpreendente, portanto, a formação de um forte núcleo do Partido Comunista Brasileiro (PCB) naquele lindo lugarejo, plantado ao pé da Serra dos Órgãos.
Construída predominantemente de forma mesopotâmica, Santo Aleixo tinha no rio do Pico e no rio Andorinhas os verdadeiros regentes do cotidiano daquela boa gente, talvez mais do que nos apitos das fábricas.
José Muniz de Mello e Emiliano Boechat eram vizinhos frontais. Seu Juquinha Mello, comunista histórico, da primeira leva, e o Pastor Emiliano eram amigos fraternos. O que parece surreal aos tuíteiros de hoje, envolvidos na minúscula tarefa de dar cor à sua verdade, negando a possibilidade da pluralidade de ideias e da fraternidade entre adversários de pensamento, era não somente possível, mas exercitado com gentileza - se não por todos, certamente por muitos.
Devastado por um câncer incurável, o velho comunista teve o conforto diário do digno pastor, até o seu último dia neste plano. O Evangelho e o Manifesto comunista não se digladiavam, pois a amizade, a fraternidade e a biografia conjunta não admitiam se reduzir a algo menor, ao menos em tais condições.
Juquinha Mello, meu avô materno, e Emiliano Boechat, do mesmo clã do Ricardo, eram amigos. Isso basta para quem tem ética, honradez, decência.
Ricardo nasceu em Buenos Aires e eu na Tijuca, apenas cinco dias antes dele. Ele estudou o 2º grau no Centro Educacional de Niterói e eu, vizinho frontal, no Liceu Nilo Peçanha. Apenas os poucos metros da Avenida Amaral Peixoto separavam o nosso cotidiano.
Cancerianos separados por tão poucos dias, vivíamos então em margens distintas de um rio povoado de automóveis. Mas estávamos juntos nos mesmos momentos que marcaram as nossas vidas de estudantes secundaristas do final da década de 1960 no Brasil. Tivemos os mesmos heróis.
Não nos conhecemos, Ricardo, que pena.
Mas, para mim, a sua morte foi a de um velho amigo - ético, honrado e decente.
O que me consola é a certeza de que você está no Pico.

quinta-feira, 29 de novembro de 2018


Chá de flores

Ivone Boechat 

Faça assim:
pelo menos,
três vezes na semana,
quando estiver ansioso,
isto te acalma,
tome um chá de flores
colhidas no jardim
de sua própria alma,
na essência do amor;
os conflitos serão
bem mais amenos,
é poderoso repelente
a quem te engana,
faz desaparecer o pensamento
perigoso
do seu  interior.

sábado, 17 de novembro de 2018

segunda-feira, 24 de setembro de 2018



Qual é o perfil do Presidente de uma Nação?
Ivone Boechat

Quem está apto a governar um país riquíssimo, com belezas naturais indescritíveis, com variedade de climas e culturas que o mundo inteiro admira, com um povo disposto a trabalhar 40 horas por semana, ganhando o mínimo para sustentar corruptos que despojam e são premiados a todo minuto com a mordomia da “prisão domiciliar”? É um povo  com uma paciência de ferro : de quatro em quatro anos paga a propaganda política dos caras de pau que prometem tudo...
Como governar um país que amarga os últimos lugares no rendimento da educação, e alguém ainda pergunta por que? Como assim? Há quantos anos um professor não recebe um tostão de aumento salarial? E a qualidade da formação profissional? Políticos podem matricular os filhos nas melhores escolas do país! Vão se preocupar com quê?
Como governar um país que foi destroçado pela corrupção contínua, com detentores das chaves do cofre de empresas outrora deslumbrantes, ora se arrastando para não falir. Muitas e muitas não resistiram e aí está o resultado, desemprego desumano e um tapa na cara de toda esta geração.
Qual é o perfil de um estadista?
1-      Um estadista com alto grau de conhecimento e cultura, apaixonado pelo país que vai governar, sensível e pronto a ser um humilde cumpridor de sua missão:
2-      Um estadista com alto grau de credibilidade, um cidadão do bem;
3-      Um estadista que jure formar cidadãos brasileiros que honrem a Pátria.
4-      Um estadista que jamais permita que alguém toque de forma criminosa nos recursos suados que chegam aos cofres do país;
5-      Um estadista que jamais nomeie alguém para o exercício de qualquer função sem que se comprove a sua experiência e  capacidade.
6-      Um estadista que represente com honra a sua Pátria, cumprindo e fazendo cumprir a Lei.
7-      Um estadista sentinela das potencialidades do território brasileiro.
8-      Um estadista com o propósito de estancar a sangria da violência.
9-      Um estadista que envie os recursos da educação, da saúde, da segurança, sob vigilância constante de sua aplicação.
10-   Um estadista que o povo brasileiro tenha orgulho de citá-lo por sua lisura, sua vida ilibada, seu nome sem mácula.